Consumo de substâncias lícitas e ilícitas entre estudantes de medicina

  • Alessandro Santana Santos Instituto Master de Ensino Presidente Antônio Carlos - IMEPAC Araguari
  • Jânio Alves Teodoro Instituto Master de Ensino Presidente Antônio Carlos - IMEPAC Araguari
  • Márcio Aurélio Silva Instituto Master de Ensino Presidente Antônio Carlos - IMEPAC Araguari
  • Luan Alves Ferreira Instituto Master de Ensino Presidente Antônio Carlos - IMEPAC Araguari
  • Lucas Eduardo Silva Instituto Master de Ensino Presidente Antônio Carlos - IMEPAC Araguari
Palavras-chave: Drogas Ilícitas, Controle de Medicamentos e Entorpecentes, Estudantes

Resumo

Quantificar o consumo de diferentes substâncias lícitas/ilícitas entre os estudantes de medicina e investigar as variáveis relacionadas com seu uso, bem como a necessidade de intervenções nos últimos três meses. Trata-se de um estudo epidemiológico de corte transversal com abordagem quantitativa. A amostra proporcional compreende 232 (40%) de um total de 579 alunos do curso de Medicina matriculados do primeiro ao oitavo períodos, selecionados aleatoriamente que responderam um questionário anônimo (ASSIST– Alcohol, Smoking and Substance Involvement Screening Test), desenvolvido pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Dos universitários, 33,7% são do sexo masculino e 66,3% e sexo feminino, 45,6% se encontram na faixa etária de 22 a 25 anos, 98,7% são solteiros, 46% moram com colegas e 41% moram sozinhos. Quanto ao uso de substâncias lícitas/ilícitas, foi observada uma maior prevalência do consumo do álcool entre todos os períodos, sendo a droga com mais necessidade de intervenção breve com 34,27% e tratamento intensivo com 6,1% do total de intervenções. A idade não se mostrou relacionada às intervenções (p=0,21). Faz-se necessária a prevenção do uso indevido de substâncias psicoativas entre universitários, por meio de disciplinas curriculares que abordem a temática ou de programas específicos destinados a essa população.

Referências

GALDURÓZ, J. C. F.; CAETANO, R. Epidemiologia do uso de álcool no Brasil [Epidemiology of alcohol use in Brazil]. Rev Bras Psiquiatr, v. 26, n. Supl I, p. 3-6, 2004.

GONÇALVES, Sofia Senna; SILVANY NETO, Annibal Muniz. Dimensão psicológica da qualidade de vida de estudantes de Medicina. Rev. bras. educ. méd, v. 37, n. 3, p. 385-395, 2013.

HENRIQUE, I. F. S. et al. Validação da versão brasileira do teste de triagem do envolvimento com álcool, cigarro e outras substâncias (ASSIST). Rev Assoc Med Bras, v. 50, n. 2, p. 199-206, 2004.

LARANJEIRA, R. et al. I levantamento nacional sobre os padrões de consumo de álcool na população brasileira. Brasília: Secretaria Nacional Antidrogas, v. 70, 2007.

LEMOS, K. M. et al. Uso de substâncias psicoativas entre estudantes de Medicina de Salvador (BA). Rev psiquiatr clín, v. 34, n. 3, p. 118-24, 2007.

MACHADO, C. S.; MOURA, T. M.; ALMEIDA, R. J. Estudantes de medicina e as drogas: Evidências de um grave problema. Rev. bras. educ. méd, v. 39, n. 1, p. 159-167, 2015.

PADUANI, G. F. et al. Consumo de álcool e fumo entre os estudantes da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Uberlândia. Revista brasileira de educação médica, v. 32, n. 1, p. 66-75, 2008.

PECHANSKY, F.; SZOBOT, C. M.; SCIVOLETTO, S. Uso de álcool entre adolescentes: conceitos, características epidemiológicas e fatores etiopatogênicos. Resupl 1vista brasileira de psiquiatria= Brazilian journal of psychiatry. São Paulo, SP. Vol. 26, supl. 1 (maio 2004), p. 14-17, 2004.

PEREIRA DE OLIVEIRA JÚNIOR, H. et al. Percepção dos estudantes universitários sobre o consumo de drogas entre seus pares no ABC Paulista, São Paulo, Brasil. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 17, 2009.

PETROIANU, A. et al. Prevalência do consumo de álcool, tabaco e entorpecentes por estudantes de medicina da universidade federal de minas gerais. Rev. Assoc. Med. Bras, v. 56, n. 5, p. 568-571, 2010.

PORTAL BRASIL. Cigarro mata mais de 5 milhões de pessoas, segundo OMS. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/saude/2014/08/cigarro-mata-mais-de-5-milhoes-de-pessoas-segundo-oms. Acesso em 26 de junho de 2017.

SCHEFFER, M. C.; CASSENOTE, A. J. F. The feminization of Medicine in Brazil. Revista Bioética, v. 21, n. 2, p. 268-277, 2013.

TOCKUS, D.; GONÇALVES, P. S. Detecção do uso de drogas de abuso por estudantes de medicina de uma universidade privada. J Bras Psiquiatr, v. 57, n. 3, p. 185-7, 2008.

Publicado
2019-03-25
Como Citar
SANTOS, A. S.; TEODORO, J. A.; SILVA, M. A.; FERREIRA, L. A.; SILVA, L. E. Consumo de substâncias lícitas e ilícitas entre estudantes de medicina. Revista Master - Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 3, n. 6, 25 mar. 2019.
Seção
Artigos originais